Luz Vermelha

IMG_2232-0

[spider_facebook id=”1″]

Eu sabia que estava perto do bairro de prostituição, que é legalizada na Holanda. Elas pagam impostos, como todo mundo. O que é proibido é a exploração das mulheres. Fui pedir informações precisas no balcão meu hotel.

– Boa noite. Onde começa o Bairro da Luz Vermelha?

O homem me olhou como se tivesse pena. Fosse em Uruguaiana, na minha terra, ele pensaria. “Esse animal burro não ainda entendeu que está em Amsterdã”. Deve ter pensado algo equivalente em holandês.

– Querida, atrás do hotel já é a Luz Vermelha. Tecnicamente, estamos nela.

Com mais uma gafe no meu currículo e um tanto receosa, fui pra lá, evitando contato visual com os homens que circulavam. Logo me dei conta que eles nem olhavam para as turistas. Mais seguro impossível. Andei por todo o bairro, sem nenhum problema.

As mulheres nas vitrines estavam seminuas, bonitas, algumas lindas. Mas as roupas que algumas que delas usavam não eram muito menores certas que roupas de balada no Brasil. A gente exagera, sem precisar. Uma delas era de dar inveja até em mulheres com a auto estima nas alturas. Poderia estar em Hollywood. Me perguntei o que ela estaria fazendo ali. Deve gostar do que faz. Sou médica no SUS e tem gente que não entende que escolhi fazer isso. E depois, os homens olhavam pra ela hipnotizados. Deve ter lá a sua graça. E deve dar uma sensação de poder também.

Entrei na Sex Shop ao lado. Existem muitas lá. Várias coisas eu não tinha a menor ideia pra que serviam. Isso que essas lojas não eram novidade pra mim. As vendedoras respondiam rindo, ou entediadas. Dei boas risadas com elas. Vi uma família, uma mãe e duas filhas comprando toys – o novo eufemismo para os vibradores. Programa familiar, tudo muito natural.

Descobri que a naturalidade holandesa para tratar do assunto não é desprovida de malícia. Os vendedores homens tiram onda com as turistas. E se um grupo de mulheres começa a rir, mexendo nos toys e chicotes eles entram na brincadeira. Até mesmo rola cantada, mas a gente tira de letra como se safar delas. Voltei para o hotel achando que as mulheres se divertem mais por lá do que os homens – as mulheres se divertem muito comprando. Hoje quando acordei pela manhã, percebi que o neon que eu via da janela do meu quarto é uma dançarina de pole.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *