Luz Vermelha II

 

E aí eu perguntei pra vendedora da Sex Shop no Bairro da Luz Vermelha para o que servia um creme com a embalagem estranha.

– É para a depilação.

Hã? Eu pensei. Pra que diabos é o creme? Os pelos caem milagrosamente? Faz a pele mudar de cor? Será que fica fluorescente? Vai saber, em se tratando de Amsterdã tudo é possível. Pedi que ela me explicasse.

– É pra doer menos.

Os holandeses tiram onda com os turistas sem dó. É a gente fazer uma pergunta idiota que ouve uma gracinha. Perguntei no aluguel de bicicletas se eu conseguiria ir até o parque pedalando e o “serumano” respondeu que dependeria da minha capacidade de não provocar um acidente. E continuou se divertindo enquanto eu penava pra subir numa bicicleta muito alta pra mim – os holandeses são o povo mais alto do mundo, segundo a Wikipédia.

A depilação completa é uma invenção brasileira. Algumas europeias sequer depilam a axila. Aproveitei a ocasião para tirar onda também.

– Dói tão pouco, não precisa de creme. Sou brasileira, lá ninguém dá bola pra isso…

A mulher fez uma careta.

– Desde que vocês exportaram a brazilian wax, a gente tem que fazer isso. Vocês são loucas. Tenho até medo das outras coisas que vocês devem ser capazes de fazer.

A criatura que me dizia isso tinha atrás de si um armário envidraçado cheio de vibradores. Pirocas de várias cores, tamanhos,  e funções. Tinha até piroca de ouro e de vidro. Continuei o papo.

– Doer até dói. E algumas brasileiras até fazem depilação definitiva com laser.

A mulher ficou surpresa. Devia sofrer muito com a depilação. Fez outra careta quando eu disse que depilação a laser dói, mas praticamente resolve o problema e apenas requer retoques anuais. Parecia esperançosa.  Finalmente perguntou se realmente funcionava.

– Funciona muito bem, mas apenas  em pelos pretos e espessos.

A alvíssima criatura fez uma cara de profunda decepção.

-Isso é injusto. E vocês brasileiras são muito esquisitas mesmo.

A gente estranha o que afronta o senso comum – o senso comum é o da terra da gente. No Brasil, os rituais de depilação iniciam na puberdade. Vai ver ela foi criada numa cultura em que as mulheres não se depilavam. E aí as esteticistas brasileiras que emigraram passaram a fazer a brazilian wax fora e a moda ganhou mundo. Imagino que aqui no bairro da Luz Vermelha deve ter havido adesão em massa, para sofrimento da minha amiga.

Uma opinião sobre “Luz Vermelha II”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *