O que é coxinha?

image

Nina Jolie e Ni-Hao me perguntaram o quem é “coxinha” e quem é “coxinha”. Suspirei. “Na verdade seresumanos decidem quem é coxinha”. É  um tipo de preconceito com um certo tipo de gente. Nós as três, por exemplo.” As gatas não entenderam. Elas não têm coxa. Olharam para as minhas – decididamente não caibo no diminutivo. Perguntaram por quê. “Eu sou coxinha porque sou médica e tudo que consegui foi com trabalho duro, estudo e concursos concorridíssimos. Vocês são coxinhas porque são minhas filhas.”

As gatas me olharam com a perplexidade que olham para as minhas idéias de primata. Apesar da minha pretensa sofisticação cerebral, elas sabem que eu não passo de um macaco sem rabo. De mim, só invejam o polegar opositor. Continuei. “A Jolie é muito coxinha porque é persa  e tem pedigree, nasceu assim.” Jolie foi concebida para ser matriz de um gatil e colocada para cruzar a cada cio e até hoje vive doente por causa disso. Era uma péssima mãe, perdeu a função no gatil e a minha é a quarta casa em que ela mora. E ela só tem quatro anos.” No caso da Jolie é pior, iriam acusá-la de ser uma traidora, sem preocupação com seus irmãos iranianos oprimidos pela sociedade judaico-cristã ocidental. Jolie não entendeu nada. Acompanha o noticiário e adora sestear em cima do meu  Persépolis. E sabe que quem oprime os iranianos é o regime dos aitolás. Ponto.

Ni-Hao foi abandonada num bueiro de uma vila num dia chuvoso, filhotinha. É dura na queda e corajosa. Se manteve viva e teve sorte (sim, há gente que tem sorte e nenhum regime político vai conseguir zerar isso) de uma veterinária passar de carro pelo local e recolhê-la. “Da Ni-Hao diriam que ela se aburguesou, que não é sensível a sua origem. Como assim uma vira-lata liberal?”

Minhas gatas disseram que essa explicação as deixou cansadas. “Isso é o pior, gurias, a gente argumenta com seresumanos que dizem coisas sem sentido. Isso cansa.” Minhas gatas resolveram mudar de assunto e perguntaram se nós ouviríamos Michael Jackson ou Aretha Franklin, as músicas de domingo “Não gurias, hoje vamos continuar a educação política de vocês.” As gatas balançaram o rabo a contragosto, temendo algum tipo de música chata e uma longa explicação. “Ouviremos James Brown”. As gatas não entenderam nada. “Ele era negro, pobre, republicano, amigo de Richard Nixon e detestava pagar impostos. E ainda cantava para as tropas do Vietnã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *